Você está buscando um imóvel para comprar em Curitiba? Esse é um sonho totalmente possível. Porém, é preciso prestar atenção a alguns detalhes imprescindíveis antes de tomar a decisão final. 

Como saber, por exemplo, se está na hora de comprar um imóvel? Esse é um passo muito importante e, com certeza, é um grande compromisso financeiro que demanda alguns esforços e planejamento.

Para saber o momento certo, há algumas indicações de que você pode estar pronto para adquirir sua primeira propriedade e elas estão relacionadas com o seu perfil e a sua necessidade. Isso porque, ainda que as vantagens de comprar um imóvel sejam muitas, é necessário ter em mente que este é um projeto de vida a longo prazo e que exige preparo e paciência.

E é aí que entra o planejamento financeiro pessoal ou familiar, que separa o seu sonho da realidade. Mas como se preparar para fechar negócio sem se complicar? Isso é o que vamos mostrar pra você agora. Entre outros pontos, você vai conferir:

  • Como planejar as finanças
  • Como estabelecer metas e organizar gastos
  • Como definir as necessidades e fazer pesquisa
  • Como contar com uma imobiliária de confiança nesse processo

Boa leitura!

Leia também: É hora de comprar imóvel: o que é melhor casa ou apartamento?

 Planejar as finanças

Elaborar e organizar um planejamento financeiro é essencial para encontrar um imóvel para comprar. Um bom planejamento começa por entender como funcionam suas finanças pessoais e pela definição dos seus objetivos de vida. 

A partir daí, com determinação e algumas mudanças de hábitos, fica mais fácil gerenciar as finanças e realizar o seu sonho de comprar um imóvel em Curitiba. 

A seguir, veja algumas dicas para fazer um planejamento financeiro pessoal:

1 – Entenda o padrão de vida que você deseja ter

Comprar um imóvel tem tudo a ver com pensar no seu futuro. Isso porque, as pessoas que investem em uma casa própria, garantem um lar e um patrimônio sólido para o resto da vida. Então, antes mesmo de considerar o local para morar, é preciso se perguntar: como eu pretendo viver daqui a ‘tantos’ anos?

Dependendo da resposta, você terá uma ideia do quanto vai precisar economizar para realizar o seu objetivo.

Por exemplo, digamos que você determine que, daqui a 20 anos, quer morar num lugar confortável, perto de tudo, mas ao mesmo tempo longe do trânsito barulhento. 

Ou, ainda, que quer morar em regiões mais próximas ao Centro de Curitiba, que oferecem mais facilidade de acesso e opções de serviços e comércios.

Nesse caso, o melhor a se fazer é pesquisar os melhores bairros de Curitiba, de acordo com as suas necessidades e as da sua família.

2 – Acompanhe o que entra e o que sai

Depois de ter noção do seu projeto para o futuro, é importante colocar em prática o seu plano de economia. No entanto, antes de cortar os gastos, é necessário ter uma visão geral tanto do seu rendimento mensal, quanto das suas despesas. 

Para isso, o ideal é montar uma planilha de custos, listando, primeiramente, suas receitas, como salário e outros ganhos que você tenha mensalmente. Em seguida, liste suas despesas, como gastos com internet, supermercado e contas da casa.

Neste documento, é muito importante anotar tudo! Inclusive, aquele pãozinho da manhã e o happy hour do fim de semana.

3 – Separe os gastos por categoria

Como diz a expressão popular: com dinheiro não se brinca. Por isso, a palavra de ordem aqui é: organização. A dica é segmentar as despesas para que você saiba exatamente aonde esse dinheiro está indo.

Na prática, isso significa criar categorias como moradia, alimentação e lazer, inserindo dentro de cada uma delas os gastos detalhados em subcategorias. Por exemplo:

  • Moradia: aluguel, condomínio, prestações do financiamento imobiliário, contas de água, luz, telefone etc.
  • Alimentação: supermercado, feira/sacolão, refeições esporádicas em momentos de lazer etc.
  • Lazer: assinaturas de streamings de filmes/música, compra de livros, passeios de fim de semana.

4 – Esteja preparado para repensar as pequenas despesas

Fazer escolhas inteligentes é indispensável para o sucesso de um planejamento financeiro pessoal voltado para a aquisição de um imóvel. É tudo uma questão de definir prioridades, mas isso não quer dizer abrir mão daquilo que faz você se sentir bem. Confira alguns exemplos a seguir.

Os móveis da casa estão velhos. E agora?

1ª opção: ir às compras ainda hoje para não perder tempo, mesmo que você gaste um pouco mais do que o planejado.

2ª opção: avaliar o que realmente precisa ser trocado. E em vez de comprar uma mobília nova na loja, optar por reformar para gastar menos.

As férias chegaram e você está pensando em viajar. O que fazer?

1ª opção: comprar as passagens ainda nesta semana, pensando que você e sua família precisam do máximo de conforto, escolhendo, então, o destino e o hotel mais badalados.

2ª opção: pesquisar os diversos pacotes disponíveis antes de fechar negócio e escolher um destino mais em conta. Além disso, uma acomodação mais barata será inserida nos seus planos. 

Entendeu? Sempre há uma opção mais econômica. Não é necessário parar de consumir um determinado produto ou deixar de sair para os seus lugares preferidos. O segredo é equilibrar os seus desejos frente às suas necessidades.

5 – Tenha cuidado com o uso do cartão de crédito

Herói ou vilão do seu bolso? Depende. Primeiramente, é importante avaliar o porquê de manter o cartão de crédito ativo. Se, por exemplo, ele oferece anuidade baixa, prêmios exclusivos e descontos em shows e viagens, então talvez seja válido continuar a utilizá-lo. 

Caso contrário, pague à vista para conseguir um desconto maior no ato da compra. Alguns lojistas chegam a oferecer até 20% de desconto nessa modalidade de pagamento.

Estabelecer metas e organizar gastos

Sabe aquelas promessas de fim de ano sobre emagrecer, mudar de profissão ou dar uma volta ao mundo? Pois é, poucas são as pessoas que conseguem cumpri-las de verdade. Sabe por que? Porque a maioria não para para avaliar os seus planos. Mas você pode fazer diferente. Confira:

  • Trace as suas metas, como por exemplo juntar a quantia “X” para comprar uma casa em condomínio;
  • Avalie mensalmente esses rendimentos, de acordo com a dica anterior, de elaborar uma planilha;
  • Veja se é necessário mudar algum ponto desse planejamento (em caso de acidentes, emergências etc.).

Fuja dos prazos e valores não alcançáveis

A compra de um imóvel é um objetivo pra lá de ambicioso. Envolve muito planejamento e dedicação. Portanto, todo cuidado é pouco, quando se fala sobre prazos e valores.

Por isso, estabeleça metas que possam ser alcançadas. Como juntar R$ 1.000 por mês, por exemplo, se você não consegue poupar nem R$ 300 do seu salário? Difícil, não é?

Uma outra dica é fracionar essa meta. Novamente: quer juntar R$ 1.000, mas não sabe como, pois você não ganha tanto assim? Divida os custos. Quebre essa quantia ao longo dos meses. Poupe ou aplique mensalmente R$ 100 e, em 10 meses, você terá a quantia que precisa.

Saiba investir o seu dinheiro

Lembre-se, você pode estar perdendo de ganhar com seu dinheiro parado. Então, se você ainda é o tipo de pessoa que guarda dinheiro debaixo do colchão, é melhor mudar de hábito.

Atualmente há outras opções melhores para o seu dinheiro render e que vão além da tradicional caderneta de poupança. Veja quais são elas:

  • Certificados de Depósito Bancário (CDB) – Eles são títulos de dívida emitidos por bancos. Traduzindo: você empresta dinheiro para o banco pagar as despesas dele. Em troca, recebe alguns rendimentos.
  • Tesouro Selic (LFT) – Funciona de maneira parecida com o CDB, mas aqui a dívida é pública. 
  • Fundos de renda fixa conservadora – Basicamente, os fundos de renda fixa conservadora investem em papéis como o CDB e o LFT. A diferença é que aqui você irá apenas se preocupar com a escolha do investimento que vai receber o seu dinheiro. Não é necessário acompanhá-lo todos os dias. Basta comprar os fundos e esperar até a data do vencimento. 

 Escolher a forma de pagamento 

Depois de escolher os imóveis que mais se encaixam nas suas condições, chega o momento da prova de fogo. Vamos supor que as parcelas de um desses imóveis vai comprometer cerca de 30% dos seus rendimentos. 

Nesse caso, você deve conferir tudo o que recebe ao longo do mês, em uma planilha – como citamos anteriormente -, e guardar a quantia equivalente aos 30% do seu orçamento.

Caso o valor seja alto demais, então é bem provável que o imóvel escolhido não seja para você. Nesse caso, repita esse processo até encontrar algum imóvel que esteja de acordo com o seu padrão.

Pesquise, também, as formas de financiamento imobiliário. Nem todo imóvel pode ser financiado 100%, sendo um padrão de mercado o financiamento chegar ao máximo de 80% do valor total. Por isso, solicite uma simulação e verifique o que é preciso para realizar um financiamento do imóvel escolhido, seja uma casa ou apartamento.

Se tiver alguma dúvida, veja aqui como fazer um financiamento imobiliário.

Em resumo, avalie as condições de pagamento pelo imóvel, a necessidade de  reformas e a possibilidade de utilizar o seu saldo do FGTS para financiar um imóvel.

Definir necessidades e fazer pesquisa

Igualmente importante é prestar atenção no momento certo de solicitar um financiamento de imóvel ao banco. 

Depois da Selic fechar o ano de 2020 com a menor taxa de juros registrada na história (2%), em outubro de 2021, a taxa já está em 7,75% e a previsão é de que ela suba ainda mais até o final de 2021. Ou seja, para quem deseja financiar ou comprar um imóvel, é melhor correr e aproveitar logo essas janelas de oportunidade. 

Para isso, porém, é preciso conhecer os tipos de financiamento imobiliário e como eles funcionam. Entre os financiamentos imobiliários, destacam-se a modalidade por meio do Sistema Financeiro de Habitação (SFH), com recursos da Caderneta de Poupança indexados à TR, bem como aquele feito fora do SFH, realizado por indexadores como IPCA ou IGPM. Além da nova linha da Caixa, com financiamento via Poupança com indexador pelo IPCA. 

Assim que tomar uma decisão sobre o melhor tipo de financiamento imobiliário para o seu perfil, é hora de focar nas suas necessidades e fazer pesquisas sobre o mercado imobiliário de Curitiba.

Depois disso, você pode, enfim, começar a procurar imóveis que atendam às suas necessidades e da sua família. A seguir, veja algumas dicas de como escolher um imóvel para comprar.

 Agendar uma visita 

Antes de comprar um imóvel, considere dois aspectos importantes: o primeiro é sobre a estrutura física. Agende uma visita ao imóvel para verificar, principalmente, as redes elétrica e hidráulica. Assim, você evita problemas com fiação e tubulações, além de possíveis infiltrações, por exemplo. 

E engana-se quem pensa que esse tipo de verificação só é significante em imóveis usados. As casas e apartamentos novos não estão imunes a esses tipos de problemas. 

Avalie, ainda, fatores como a incidência de luz solar e tamanho dos cômodos. Essas são questões que interferem diretamente no seu bem-estar e devem ser observadas com cuidado antes de fechar o negócio.

Além disso, observe a região onde o imóvel está localizado. Existem facilidades nas redondezas, como supermercados, farmácias, bancos, escolas? E quanto às opções de transporte, é possível, por exemplo, chegar ao imóvel sem utilizar um automóvel? O acesso a outras regiões da cidade é facilitado? Esses também são pontos importantes a serem considerados antes de escolher um imóvel para comprar.

 Verificar a documentação 

Outro aspecto a ser considerado é a documentação na hora de comprar o imóvel. Confira se a casa ou apartamento está registrado no nome de quem está vendendo, se tem alguma pendência em contas como condomínio, IPTU, Copel e Sanepar. Quanto a isso, é possível exigir certidão negativa de débitos ou comprovantes de pagamento referentes aos últimos 6 meses.

Contar com uma imobiliária de credibilidade 

Essas são algumas dicas que entendemos como muito importantes para quem quer comprar um imóvel em Curitiba

Certifique-se de que esteja tudo em ordem com o imóvel que tem interesse e, com a ajuda de profissionais capacitados, que entendam do assunto, tenha chances concretas de fechar uma negociação satisfatória, seja para realizar seu sonho da casa própria ou investimento.

Se estiver procurando imóveis à venda em Curitiba e quiser ajuda profissional, conte com a JBA Imóveis. Aqui você pode conferir nossas opções e, se tiver alguma dúvida, fale conosco.